Em janeiro, Luiz Otávio Koblitz e mais 03 sócios fundam a empresa Ômega Engenharia Ltda, e começa a prestar assessoria à Usina Petribú (PE). Em 11 de novembro, Luiz Otávio Koblitz sai da Ômega Engenharia Ltda e funda a Koblitz Engenharia Ltda, na Praça Chora Menino, bairro Ilha do Leite, em Recife-PE.


Primeira instalação elétrica da Koblitz: Usina Salamanca, hoje Usina Manoel Costa Filho (CE).

Em maio, a Koblitz entrega a instalação elétrica da nova fábrica da Cisafra – Cimento São Francisco. No mesmo ano, monta seu primeiro painel elétrico na Usina Santa Maria (PB).

A Koblitz continua a prestar assessoria, fazendo instalação elétrica e montagem de painéis elétricos.

A Koblitz arrenda uma oficina na Av. Norte (Recife-PE) e começa a fabricar os próprios armários metálicos. Ainda neste ano, compra o terreno no Bongi (Recife-PE) para a construção da sede própria.


Junto com o irmão, Carlos Oswaldo Koblitz, Luiz Otávio funda a empresa Koblitz Representações Ltda., cujo objetivo era a venda de equipamentos industriais fabricados no Sul/Sudeste do país.


Começa a construção da nova sede da Koblitz na Av. Cônsul Vilares Fragoso, bairro do Bongi, Recife-PE.

A Koblitz finaliza o primeiro fornecimento completo de projeto elétrico, painéis e instalação elétrica para o cliente Destilaria Japungu (PB), a primeira destilaria de álcool do Brasil a vender o excedente de energia produzido.


A empresa transfere-se para a nova sede situada na Av. Consul Vilares Fragoso, bairro do Bongi, Recife-PE, em fevereiro de 1983, unificando todas as atividades em um único local.


Luiz Otávio Koblitz, juntamente com o Sr. Paul Henri, fundam a Pertec – Perfurações Técnicas Ltda, situada em Olinda-PE. Ainda neste, Luiz Otávio Koblitz em conjunto com o seu irmão, Carlos Oswaldo Koblitz, compra a oficina de manutenção de motores, geradores e transformadores da GE, e funda a Koblitz Máquinas Elétricas Ltda, situada em Recife-PE.

A Koblitz se firma no mercado nordestino como expert em geração de energia a partir do bagaço de cana.

Primeira ampliação da sede, com dois novos andares para a administração, projetos e comercial, além de três galpões para fabricação de painéis elétricos. A empresa começa a estender sua área de atuação para novos mercados.

Foi criada a unidade de Piracicaba-SP, responsável pela atuação comercial da empresa no Centro-sul do país.

Primeiro fornecimento para a região Sudeste: Usina Diamante (SP), pertencente ao grupo Irmãos Franceschi Ltda. Neste mesmo ano, assina seu primeiro contrato de exportação, para Cuba.


A empresa começa a ampliar suas exportações para países da América Latina.


A Koblitz faz o fornecimento de Projeto Elétrico para Citrovita, empresa do Grupo Votorantim, situada em Catanduva-SP, primeira fábrica de suco de laranja do Brasil inaugurada com geração própria de energia. A Koblitz Máquinas Elétricas Ltda foi vendida para ALSTOM.

Com foco em biomassa, além do bagaço de cana-de-açúcar, a Koblitz passa a investir na captação de novos clientes através de resíduo de madeira, casca de arroz e gás pobre de alto forno (GAF) oriundo de carvão vegetal.

Dá-se início ao projeto de expansão da área comercial, criando postos avançados distribuídos pelas diversas regiões do Brasil.

A Koblitz intensificou o trabalho de modernização de PCH's (Pequenas Centrais Hidrelétricas) existentes e a instalação de novas unidades.

A Koblitz torna-se a primeira empresa a instalar no Brasil uma central termoelétrica para geração de energia em indústria de beneficiamento de arroz, na Urbano Agroindustrial (RS).

Inicia-se o reposicionamento da empresa como "fornecedora de sistemas de geração e cogeração de energia", e a segunda ampliação do parque fabril em Recife-PE.

É pioneira na geração de energia em empresas produtoras de óleo de soja, com o projeto Caramuru Óleos Vegetais (GO), que funciona em paralelo com a Celg, utilizando bagaço de cana e óleo como combustível.

A Koblitz registra um aumento de 80% no volume de seus negócios, com um crescimento de 35% no faturamento.

Tem-se o início das parcerias com os Produtores Independentes de Energia – PIE, com a primeira instalação das unidades da Cervejaria Kaiser em Jacareí (SP) e Pacatuba (CE), com Sistema de Cogeração de Energia, utilizando gás natural como combustível, sendo o cliente a Energy Works.

A Koblitz conquista o certificado de qualidade ISO 9001 em "Projeto, Fabricação, Instalação e Serviços Associados de Painéis Elétricos". Torna-se a pioneira no Brasil e 2ª no mundo a desenvolver um sistema de trigeração, utilizando gás natural como combustível na Fábrica da Coca-Cola – Refrescos Guararapes, em SUAPE (PE).

Começa a construção das Usinas Termelétricas a Resíduo de Madeira da Piratini Energia S.A., de 10 MW, em Piratini-RS e da BK Energia Itacoatiara Ltda, de MW, em Itacoatiara-AM, onde a Koblitz é sócia de ambas, com a CEEE-GT-Companhia Estadual de Energia Elétrica, na Piratini, e com a Mil Madeiras Preciosas Ltda, na BK.

Foi fechado o primeiro Contrato no Brasil de fornecimento em regime EPC ( Engineering, Procurement and Construction ) de uma Central Termelétrica a biomassa ( resíduo de madeira ) de 30 MW, em Lajes – SC, para a Lages Bioenergética, da Tractebel Energia.

Ampliam-se as perspectivas no Brasil com a criação do PROINFA. Começam a operar comercialmente as UTE's à biomassa(resíduo de madeira) Piratini Energia S.A. e BK Energia Itacoatiara Ltda, sendo a Koblitz sócia majoritária de ambas empresas.

Em parceria com o Grupo Cornélio Brennand (GCB), foi iniciada a criação da Atiaia Energia S.A.( GCB 90% e Koblitz 10%) para a implantação de PCH's (Pequenas Centrais Hidrelétricas). Nesse mesmo ano, a empresa entra no programa de apoio ao crescimento de empresas emergentes do BNDESPAR. Entra em funcionamento a UTE ( Usina Termelétrica ) da Lages Bioenergética.

A Koblitz tem um grande crescimento devido ao PROINFA, onde conquistou pouco mais de 50% dos projetos de PCH ( 1.193 MW ) e Biomassa ( 570 MW ). É realizada a terceira ampliação do parque fabril em Recife – PE.

Nos seus 30 anos, transfere a filial de Piracicaba para São José do Rio Preto, no estado de São Paulo, e inaugura o escritório na capital paulista. O BNDESPAR passa a ser sócio da Koblitz.


Entram em operação comercial as primeiras PCH's da Atiaia Energia S.A.: Garganta da Jararaca (29,3MW) e Canoa Quebrada(28 MW), ambas no Estado do Mato Grosso.


Começa operar a PCH Buriti (30 MW), no Mato Grosso do Sul, de propriedade da Atiaia Energia S.A.

Em janeiro, a empresa francesa AREVA compra 70% da KOBLITZ, mudando a razão social para Areva Koblitz S.A. Porém, as participações nas empresas de geração de energia (UTE's e PCH's) foram transferidas para a empresa holding do Grupo KOBLITZ, Fontis Energia Ltda.
Nesse ano, entra em operação comercial a PCH Paranatinga II (29,02 MW), no Mato Grosso, e Porto das Pedras (28,03 MW), no Mato Grosso do Sul, ambas de propriedade da Atiaia Energia S.A.

Foi intensificada na Atiaia Energia S.A. a prospecção de novas PCH's através de inventários de diversos rios brasileiros.

Inicia-se a construção da PCH Pedra Furada, de 6,5 MW, situada no município de Cortês –PE, de propriedade da Atiaia Energia S.A. (70%) e Fontis Energia Ltda (30%).

Em abril, a empresa francesa AREVA compra os 30% restantes da Areva Koblitz S.A., ficando a AREVA proprietária de 100% da empresa. Na sequência, a Areva Koblitz S.A. alterou a razão social para Areva Renewables Brasil S.A. e a Fontis Energia Ltda para KOBLITZ ENERGIA LTDA.

Inicia-se a operação comercial da PCH Pedra Furada.
Foi criada a Atiaia Energia Chile, empresa chilena subsidiária da Atiaia Energia, para desenvolvimento e construção de projetos no Chile, onde se encontra adquirido o direito de água para construção de 02 Usinas Hidrelétricas com capacidade estimada total de 230 MW.
Foi criada a Atiaia Comercializadora de Energia S.A., parceria entre o Grupo Cornélio Brennand (60%) e a Koblitz Energia Ltda(40%).